uma enorme redoma não mais de vidro
mas de paredes e janelas
e o vento frio aguarda em uma praça ampla
com um único carro e muito asfalto
que separa um prédio do outro
janelas fechadas e escuras

a sombra tenta circunavegar o teto
um retângulo oblíquo e a cozinha escura
os pingentes se cansaram e descansam em uma gaveta
a água repousa protetora guardando a oração

um silêncio nobre e antigo passeia pé ante pé
de um cômodo ao outro
e observa a geladeira
que ainda trabalha a esta hora

uma única lâmpada acesa
aponta seus dois gomos
para a mesa baixa e sólida
que sente o frio das lajotas com seus amplos pés
cansada de apoiar pés preguiçosos

a boca estreita e espantada do telefone
esconde pontos de luz
e deixa escorrer um único fio encaracolado do seu cabelo
que se alisa disparando em busca da energia
que se esconde atrás de furos na parede

o pequeno olho da porta é vazado
e vacila entre o que observar
se os movimentos dos nativos ou o dos alienígenas

os apetrechos eletrônicos formam um bloco maciço
com pequenos olhos vermelhos
que me esnobam com sua alta tecnologia

meus óculos observam se meus olhos se cansaram
bocejam e me lembram que já é bem tarde
acham que é tempo de se recolherem
ao conforto noturno do seu leito

Abílio Terra Junior
31/01/2005

 

[Menu] [Voltar]

Envie essa Página

 

Criação de Gráficos e Páginas:
Webmaster e Designer:Crys