seu menino
vivemos no limbo
dos deserdados da sorte


lá de longe os deuses e deusas pagãos
nos olham curiosos
sem entender bem quem somos


mas eu te digo seu menino
já sofremos antes de nascer
com nossas mães
maltratadas e esquecidas


e por isso merecemos o limbo
já que o céu é muito pra nós
o sofrimento que nos rodeava
lá embaixo era tanto
que aqui pelo menos
estamos protegidos
sem sentirmos a fome e a sede
que nos agoniavam
antes de nos libertarmos


me dê a mão seu menino
vamos dar uma volta
veja quantos como nós
aqui chegaram
e agora descansam
seres humanos e seres animais
se restabelecem das suas feridas
do corpo e da alma


veja essa névoa
que nos protege
e de como a luz é mínima
não ouvimos gritos de dor
nem lamentos


aqui a alma também se apaga
e fica semi-desperta
mal se vê a paisagem
também não vemos parentes
ou amigos


estamos num sono letárgico
num sonho que nunca termina
perdemos a noção de tempo e espaço
o som é lento e débil
não sabemos quem é belo ou feio
e as mulheres passam despercebidas


as emoções e os sentimentos
foram esquecidos
alcançamos o verdadeiro limbo


Abilio Terra Junior
01/11/2013



Menu ::: Voltar ::: Envie essa Página

::: CrysJuanGráficos&Design :::