Versos de Amor


Que nem Davi entoando um amoroso cântico para a sua "muy dulce" Betsabá, ele lapidou cada verso com o esmero e o vigor de um escultor barroco, sem se importar se sua obra ficaria, também, para a posteridade. Imaginando-a em sua mente, utilizou ricas metáforas para descrever o brilho dos seus olhos negros, suas sobrancelhas que tocavam os oceanos, seus lábios enigmáticos e febris, suas orelhas quase transparentes sob seus abundantes cabelos negros, suas têmporas delicadas, o seu pescoço esguio, os seus ombros redondos, os seus seios pequenos e erguidos, sua cintura em sutil curva que continuava em robustas ancas e em um escuro triângulo invertido misterioso e acolhedor, suas pernas indefiníveis que sempre o cercavam magicamente, seus pés suaves e lúdicos que sempre o surpreendiam.
Pensou depois em rasgar aquele tributo à amada, sentindo-se como um leviano que estivesse a lhe desvendar íntimos segredos. Pensou em enviar para ela, em uma carta "à antiga" ou em um ousado e-mail, e ficar a espera da sua resposta. Ou então memorizá-lo e, na primeira oportunidade, declamá-lo suavemente aos seus ouvidos, antevendo como resposta uma voluptuosa noite de amor.
Pensou tanto que perdeu o sono e passou a noite em claro. No dia seguinte, dobrou cuidadosamente a folha em que versejara, como se fosse um tesouro sem preço e guardou-a no bolso da camisa, junto ao seu coração. Ali ficaria como um talismã, trocando com o seu coração emissões sublimes e silenciosas.

[Menu] [Voltar]

Envie essa Página  

Todos os meus textos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais - LEI No. 9610,
de 19 de fevereiro de 1998, e pelos tratados e convenções internacionais.
Respeite os direitos dos autores, para que seus direitos também sejam respeitados.

Contato com Autor: Abílio Terra Junior

 

Criação de Gráficos e Páginas:
Webmaster e Designer:Crys

Melhor Visualizado em:1024x768