O Contato Direto de Raul

Raul está sentado em uma cadeira, em uma ampla sala. Em torno dele, sete lindas moças o observam, com olhares cobiçosos. São de diversos biotipos, louras, morenas, altas, baixas, olhos claros e escuros. Já conversaram e, agora, estão em silêncio. A atmosfera é de desejo, que impregna o ambiente.
Enquanto isso, a mente de Raul está ocupado com muitos pensamentos.
Lembra-se do filme "Todas as Mulheres do Mundo", dirigido por Domingos de Oliveira, no qual o personagem vivido por Paulo José vive a cata de conquistas, até que encontra a personagem interpretada por Leila Diniz, por quem se apaixona perdidamente.
E se lembra também de cenas de filmes de Frederico Fellini, como "Cidade das Mulheres", em que o personagem cujo intérprete é Marcelo Mastroianni, invade, por acaso, um congresso de mulheres, que defendem os direitos femininos com todo o ardor, e ele é acuado por elas como um intruso, que de fato o é. Como sempre, Fellini combina com mestria cenas da realidade com cenas oníricas, e, nessas últimas, Mastroianni se vê como um poderoso e prepotente macho, com uma capa e um chapéu, e um longo chicote em uma das mãos, com o qual distribui chicotadas a torto e a direito na direção das sobressaltadas mulheres.
Há uma cena fantástica, em que de uma gigantesca vagina de uma mulher deitada, surgem labaredas e pequenos capetas!
Ou, então, em Amarcord, que retrata cenas da infância de Fellini na sua cidade natal, Rimini. Numa delas, uma mulher, dona de uma loja, abaixa as portas e exibe para o jovem e embasbacado Fellini os seus fartos seios.
Em "A Doce Vida", Mastroianni vive Fellini como jovem jornalista, obcecado pela bela e exuberante atriz sueca Anita Ekberg, e tenta conquistá-la de todas as maneiras, até que leva um murro no rosto do seu marido. Ele também vive momentos de amor com a graciosa e delicada francesa Anouk Aimée, ambas, na época, no auge das suas belezas, tão diversas.
No mesmo filme, ou seria em "Oito e Meio" (?), os meninos procuram pela prostituta imensa, que vive na praia, e que se exibe para eles, em troca de algumas moedas.
Raul se lembrava também das atitudes de Mussolini, o ditador italiano, parceiro de Hitler, que recebia mulheres em seu gabinete de trabalho, e, ali mesmo, sem mais delongas, dava com elas uma trepada rápida, ao fim da qual, elas saiam extasiadas pela honra de haverem transado com "Il Duce", enquanto ele, fechava a braguilha, acendia um charuto, e se sentava em sua confortável e majestosa cadeira, enquanto cruzava as pernas sobre a mesa. Era o machismo latino levado ao seu paroxismo!
-E então? O que resolveu? Com qual de nós vai ficar? perguntou uma delas, impaciente com aquele silêncio e com o mutismo de Raul.
-Bom, minhas queridas, vocês todas são tão lindas, é muito difícil decidir! Proponho o seguinte: um sorteio.
Elas se entreolharam, sem entender muito bem, enquanto Raul, já de volta ao mundo real, ia escrevendo o nome de cada uma delas em pedaços de papel, que dobrava, um a um, e, em seguida, pedia a uma delas que retirasse um deles. Aberto o papelucho, lá estava, com todas as letras, o nome da escolhida: Perla!
Ela deu um salto da cadeira e correu para ele, abraçando-o. As outras resmungavam entre si, demonstrando inveja da feliz eleita.
Raul levou Perla pela mão, até um quarto, próximo. Fechou a porta e a observou atentamente: ela era jovem, muito bonita, pele trigueira, cabelos longos e negros, olhar e gestos com muita sensualidade. A sua mãe era uruguaia e o seu pai, brasileiro. Uma bela combinação de genes!
Abraçaram-se e beijaram-se e se despiram. Deitaram-se na cama e Raul demorou bastante nas preliminares, como gostava de fazer, deixando-a cada vez mais excitada. Ela alcançou o orgasmo diversas vezes, enquanto ele, duas vezes. Conversaram, beberam um pouco e, depois, saíram do quarto.
As outras moças já haviam ido embora. Perla também se despediu dele, dando-lhe um longo e sensual beijo.
Quando ela saiu e Raul fechou a porta, sentiu-se sonolento e cansado. Deitou-se e, de repente, sentiu-se em um outro ambiente.
Andava por ruas estranhas, como se estivesse em um cenário propositalmente distorcido, com muros oblíquos, com o fim de representar a complexidade psíquica, como se estivesse em um filme expressionista, como o impressionante "O Gabinete do Dr. Caligari", dirigido por Robert Wiene. Ou seria "Nosferatu", de F. W. Murnau? Ou, ainda, "Metrópolis", de Fritz Lang? Em qualquer deles, não estaria nada bem, sentia um calafrio percorrer sua espinha. Os expressionistas desejavam expressar em seus filmes a experiência psíquica por inteiro, eram verdadeiros mestres em sua arte. Raul sabia disso e muito os apreciava, mas, daí, a participar de um destes filmes, havia uma diferença brutal! Viu um cortejo de caixões passarem por uma rua, em uma atmosfera lúgubre e tormentosa. E, depois, uma multidão de operários, vestidos com seus uniformes, entrarem em uma sinistra fábrica, com paredes cinzentas.
Raul fechou os olhos e se concentrou, precisava sair desse pesadelo.
Quando abriu os olhos, estava em uma caverna, iluminada por archotes, carregadas por mulheres morenas, com vestimentas amplas e muito antigas. Demorou a se acostumar com a pouca luminosidade do local. Percebeu, aos poucos, uma escada construída na rocha, e, lá em cima, uma mulher com cabelos amplos e cacheados, morena também, como as outras.
-Aproxime-se, Raul! ela ordenou, com firmeza na voz.
Ele subiu os degraus, hesitante, até que se colocou frente a ela. Ela possuía uma beleza que o atraía e o tonteava, como se não pertencesse a esse mundo. E como sabia seu nome? se perguntava.
-Eu sou Ishtar, a deusa do amor e da fertilidade, mas também da guerra e da morte; sou chamada a rainha do céu! ela explicou, com convicção.
-Sei o seu nome, pois o conheço há muito tempo! Desde tempos idos! disse ela, para ainda maior surpresa de Raul.
-Para lhe ser sincera, desde a antiga Suméria! acrescentou Ishtar, e Raul se espantava cada vez mais.
-Você foi um antigo e bravo guerreiro, viveu muitas vidas. Daí esse seu poder, mas que você não sabe utilizar! Você atrai as mulheres de uma forma inexplicável, e as usa em seu proveito próprio. Quando irá aprender a respeitá-las como seres humanos? Pois elas possuem sentimentos, emoções e desejos, assim como você, Raul!
-Olhe bem em meus olhos! afirmou ela.
Raul, mesmo que o quisesse, não conseguiria desviar o seu olhar. Submergiu dentro daqueles olhos negros e profundos, como se mergulhasse em um abismo sem fim. E perdeu a consciência.
Sentiu-se voando sem rumo pelo espaço, parecia ter visto a Árvore do Mundo, Yggdrasill, que sustentava a Terra, guardada pelas Nornes, Urd, Verdanki e Skuld, que personificavam o passado, o presente e o futuro, respectivamente. Urd, muito velha, vivia olhando para trás, por sobre os ombros. Verdanki, uma garota, olhava sempre para o presente. Skuld, encapuçada, possuía um pergaminho fechado sobre seu regaço, que continha os segredos do futuro.
Então, Raul acordou. Estava deitado na cama, com o corpo pesado, como se chegando de uma longa viagem. Tentou entender o que se passara com ele. Fora um dia longo, tanto no mundo das realidades palpáveis quanto no do sonho ou do inconsciente.
Parecia a Raul que a sua Anima o havia conduzido a uma viagem pelo seu inconsciente coletivo impessoal, e assumira a figura de uma antiga e poderosa deusa. Sim, pois todos os antigos deuses e deusas estão presentes no nosso inconsciente coletivo, segundo Jung. E cabe à Anima fazer esse trabalho de conexão, no caso do homem, pensava Raul. E ela o fizera muito bem! Deixara Raul perplexo com tudo o que vira e ouvira. Colocara-o frente à frente com a mulher, com tudo o que isso viesse a representar para ele.
Segundo Jung, estamos vivendo novos tempos, em que a mulher já plantou a semente do seu novo lugar na sociedade e na psique coletiva, mas ainda não tomou consciência disso. O homem, por sua vez, também não está preparado para as grandes mudanças que estão por vir. Mas a Anima está sendo projetada no mundo. E Raul tivera um contato direto com ela.

[Menu] [Voltar]

Envie essa Página  

Todos os meus textos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais - LEI No. 9610,
de 19 de fevereiro de 1998, e pelos tratados e convenções internacionais.
Respeite os direitos dos autores, para que seus direitos também sejam respeitados.

Contato com Autor: Abílio Terra Junior

 

Criação de Gráficos e Páginas:
Webmaster e Designer:Crys

Melhor Visualizado em:1024x768