Jogando Conversa Fora

Descia a avenida a pé, fazia frio, ainda bem que estava agasalhado. O frio chegara cedo, imagine quando o inverno chegar mesmo... Algumas estudantes passavam por ele, apressadas. Com o sinal fechado, esperou os carros passarem. Outros sinais, outras ruas, outra avenida.
Os indianos nus, os homens santos, andando calmamente entre as pessoas (na Índia, naturalmente). Outro povo, outra cultura. Os dois maiores países tropicais do mundo, Brasil e Índia. Países de contrastes, pontos comuns e pontos divergentes. Lá, uma cultura milenar; aqui, uma cultura secular. Com a sua grande experiência, encontraram diversas soluções ecológicas, que poderíamos aproveitar. Lá, há muito maior concentração populacional do que aqui. E quanto às religiões, nem se fala! Muita complexidade, mas como penetrar nessa complexidade? Uma coisa é se ler a respeito, outra coisa é praticar. Mas, de um modo geral, o que as tradições religiosas indianas (e como outras tradições orientais ensinam também, como o Budismo) é que se cada um não se esforçar e não assimilar e praticar o conteúdo real dos ensinamentos, ficará para sempre preso ao ciclo interminável do "samsara", das reencarnações, "traduzindo" para o nosso entendimento.
Lembrava-se de uma tarde, em Brasília, sentara-se à uma mesa de um restaurante, perto da Igrejinha, e ficara conversando com um outro cliente, sentado à outra mesa, sobre os mais diversos assuntos, ambos bebendo cerveja. Às vezes, tomava cerveja em pé, em um bar, ali na quadra do Beirute, mas na outra extremidade, e começava a conversar também com outro cliente, jogando conversa fora, apenas para passar o tempo. Tempos de Brasília, tudo tão diferente. Aqueles espaços amplos davam-lhe uma sensação de liberdade e de angústia, pois era apenas uma sensação, não a liberdade de fato.
Em Belo Horizonte, as pessoas tomavam as ruas, do centro, principalmente. Os carros se amontoavam nas avenidas e ruas. Os quarteirões eram menores, havia trechos do centro que lembravam um mercado persa; não que ele achasse ruim, pelo contrário, gostava de andar no meio daquela multidão, muitos quase correndo, outros, devagar, quase parando, gente de todo tipo. Bares espalhados nas calçadas, onde à tardinha, casais, grupos de colegas ou amigos, alguns poucos solitários, se sentavam, tomavam as suas cervejas, conversavam animadamente, comiam os seus petiscos. Havia os sebos, num dos quais ele encontrara alguns livros raros, solicitados pelo professor. Demorara algum tempo, mas encontrara. Estava agora, lendo-os, um a um. Manifesto Decadente, Manifesto Simbolista, o Futurismo, o Expressionismo, o Cubismo, o Cubofuturismo, o Dadaísmo, o Espiritonovismo, o Surrealismo... os manifestos vanguardistas, tudo em um livro. Havia vários outros para ler. Bom, não podia se queixar de material para leitura... e de boa qualidade.
O convívio era mais ameno também, as pessoas sorriam e se comunicavam facilmente, sem maiores preocupações. E havia vida cultural também, como, só para citar um exemplo, um conjunto musical que resgatara lindas músicas do passado, formado por quatro cantoras, que reviviam sucessos da MPB há muito esquecidos, com muita graça e talento, chamado Carona Brasil, mostrando o quanto é rica a nossa música, quando se expressa em suas fontes originais.
E havia a famosa reserva mineira, tão difícil de se explicar para os próprios mineiros, imagine-se então, para outros "povos". Sempre havia um "ponto vago", difícil de definir, e que não poderia e não deveria ser transposto. E isso parecia levar o relacionamento para um campo abstrato,que não era tão abstrato assim, pois estava ligado à normas de conduta social bem concretas. Tudo muito vago, impreciso, mas que se traduzia em preceitos, talvez seculares, trazidos possivelmente de um duro e seco viver rural e interiorano, formação básica da população mineira e belorizontina. Lembrava-se dos livros do autor mineiro Autran Dourado, que transmitiam muito desse modo de viver mineiro, "Ópera dos Mortos", "Uma Vida em Segredo", "Um Artista Aprendiz", verdadeiras obras-primas, que tocavam a alma mineira profundamente e nos transmitiam muitos desses "segredos" inominados, subliminares.

 

[Menu] [Voltar]

Envie essa Página  

Todos os meus textos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais - LEI No. 9610,
de 19 de fevereiro de 1998, e pelos tratados e convenções internacionais.
Respeite os direitos dos autores, para que seus direitos também sejam respeitados.

Contato com Autor: Abílio Terra Junior

 

Criação de Gráficos e Páginas:
Webmaster e Designer:Crys

Melhor Visualizado em:1024x768