Depressão


Ela dizia que se casara muito jovem, com 17 anos, e o seu marido tinha 46 anos. Mas, foram muito felizes durante 17 anos. Depois, ele adoeceu, tinha 1,80 m, mas quando acabou, estava minguado, e ela fez um gesto com as mãos, do tamanho de um bebê.
A vida de viúva é muito triste, ela completa, você não imagina. Sofro de depressão, de repente começo a chorar, sem mais nem menos. Aí, me transferem para outro setor. Costumo trocar as letras, até minha letra piorou. Ainda bem, se fosse em uma empresa privada, já tinham me demitido. Eu cuidava de mim, caminhava, cheguei a fazer três plásticas. Agora, não tenho ânimo para nada.
Pergunto a ela se foi a um psiquiatra, psicólogo, ela me responde: - o psiquiatra disse que eu estou ótima... Digo a ela que há, atualmente, grupos de pessoas deprimidas que se reúnem e se ajudam mutuamente. Ela diz que tem interesse, mas não conhece nenhum.
Ela me diz que gostava de fazer artesanato e coisas semelhantes, mas hoje não faz nada. Trabalho aqui de 8 da manhã até 6:30 h, e com a depressão...
Eu era muito feliz com o meu marido, ela repete, ele era uma pessoa boníssima. Homem mesmo, não como esses de hoje, que usam calça, mas, vai ver... Moça do interior, sem nenhuma malícia... Aqui, onde trabalho, não se pode confiar em ninguém, diz ela. Um ambiente falso. Eu retruco que é assim em todo lugar. Antes do meu marido morrer, eu saía da minha cidade, e vinha fazer faculdade aqui. Depois, tranquei a matrícula.
Ela recebe aluguel de alguns imóveis deixados pelo marido. Se não fosse isso, com o que ganho aqui, não daria para sobreviver...
Outro dia, a sua filha de quinze anos lhe disse que queria trabalhar. Ela diz que aquilo partiu seu coração. Como arranjar trabalho para uma moça de quinze anos, com a situação atual, com milhões de desempregados. E colocar a sua filha, com 1,80 m, linda, para trabalhar hoje, do jeito que está, já pensou?ela me pergunta. Eu nada respondo.
Puseram fogo em meu carro, esses pivetes... e a companhia de seguros não quer pagar. Com o carro, eu viajava para a minha terra, com a minha filha, nos fins de semana. Agora, ficou mais difícil, os ônibus são caros...
Nisso, entram duas pessoas para serem atendidas. Ela me pede licença e se dirige com eles a outro setor.

 

[Menu] [Voltar]

Envie essa Página  

Todos os meus textos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais - LEI No. 9610,
de 19 de fevereiro de 1998, e pelos tratados e convenções internacionais.
Respeite os direitos dos autores, para que seus direitos também sejam respeitados.

Contato com Autor: Abílio Terra Junior

 

Criação de Gráficos e Páginas:
Webmaster e Designer:Crys

Melhor Visualizado em:1024x768