Alice nas Cidades

O escritor alemão Philip Winter percorre os EUA, escrevendo um texto a esse respeito, a ser publicado, e fotografando, enquanto, ao mesmo tempo, sente ‘a atmosfera americana’. Procura o seu editor alemão nos EUA, que demonstra insatisfação, diz que ele fotografa muito, não cumpriu o prazo contratual, trouxe apenas um bocado de notas esparsas e fotografias. Diz que vai se reportar ao seu editor-chefe na Alemanha, que a partir de agora está fora do projeto, e que Philip leve os seus ‘cartões-postais’ e as suas notas e desapareça. É o que ele faz.
Vende o seu carro por 300 dólares e decide voltar a Alemanha. No aeroporto, é informado que há uma greve dos transportadores e que os vôos para a Alemanha foram interrompidos. Há a possibilidade de que voe para Amsterdã. Surge uma mulher com a sua filha, Alice. Ela se mostra acessível. Decidem viajar todos para Amsterdã.
Philip procura a sua namorada, que se mostra dura com ele. Diz que ele não sabe nem mesmo quem ele é, que precisa fotografar para encontrar pontos de referência, provas de que esteve nesses lugares, e, em suma, de que ali esteve, e, portanto, está vivo, existe. Ele lhe responde que, de fato, sente uma grande ansiedade de fotografar as inúmeras imagens que surgem ao longo da sua viagem, mas que elas nunca conseguem captar a realidade como ela, de fato, é. Ele, que já se despira, se veste e sai do apartamento da sua, agora, ex-namorada.
Como fora convidado pela mãe de Alice, se dirige ao hotel onde elas estão hospedadas. Ela o convida a ficar, diz que não terá relações sexuais com ele, mas que quer que durmam juntos. Ela se separou há pouco do seu marido e conta que ele ainda pensa que ela retornará para ele. Pela manhã, Philip acorda e vê a mulher escrever um bilhete, já pronta para sair. Ela sai, ele se levanta e lê o bilhete, em que ela lhe diz que o seu ex-marido ainda precisa dela, e que ela se encontrará no aeroporto com eles. Não é o que acontece, e Philip e Alice partem para Amsterdã. Lá chegando, eles se hospedam em um hotel próximo do aeroporto.
Alice e sua mãe já haviam morado em Amsterdã e Alice fala holandês. No restaurante, ela traduz o cardápio para Philip e lhe pergunta porque estão em um restaurante barato. Ele lhe responde que tem pouco dinheiro. A mãe de Alice não chega também no dia seguinte. Diante disso, Philip decide viajar para a Alemanha. Alice lhe diz que a sua avó mora na Alemanha, mas ela não sabe onde. Ela se refugia em um banheiro público, chorando, e Philip lê para ela os nomes das cidades alemãs, onde sua avó poderia estar morando, até que um nome parece familiar a Alice. Philip aluga um pequeno carro e percorrem as ruas da tal cidade, na tentativa de Alice descobrir a casa da sua avó, mas ela nada encontra.
No restaurante, Alice confessa que a sua avó não mora nessa cidade. Philip lhe diz, então, que a levará à Polícia, e assim faz. Na Polícia, Alice aguarda, enquanto Philip conta ao policial os fatos ocorridos e os dados que ele conhece de Alice. Despede-se de Alice e retorna ao apartamento. É quando Alice aparece, fugira da Polícia. Diz a Philip que no depoimento ao policial se lembrara do sobrenome de solteira da sua mãe e tem uma foto da casa da sua avó.
Philip sorri e parte, de novo, com ela. Perguntam a um taxista, e, já em outra cidade, encontram a tal casa. Alice vai até lá e conversa com uma mulher, mas retorna, dizendo que a mulher não conhece a sua avó, e que mora ali há dois anos.
Atravessando o rio em um barco, Philip e Alice se encontram com o policial, que está a procura deles, que diz a Philip, ambos sorrindo, que conseguiram localizar a avó de Alice e que a sua mãe retornou a Alemanha. Em um misto de alegria, por Alice se reencontrar com a sua família, e de tristeza, por terem de se separar, Philip e Alice viajam de trem ao encontro dos familiares de Alice. Alice abre a janela junto com Philip, e, na última cena do filme, ambos estão na janela do trem, com os cabelos agitados pelo vento, enquanto a câmera se distancia.
O filme é de 1974, quando Wim Wenders fez as suas primeiras viagens pelos EUA. É um belo filme, um ‘road-movie’ intimista, emotivo, que aborda a marcante questão da individualidade, da beleza e da simplicidade das relações humanas, de como pessoas estranhas se tornam íntimas e vice-versa. O filme aborda também o choque de culturas, pois, em certo ponto, Philip diz que não consegue escrever, se sente entorpecido, cansado das cenas vulgares da televisão, em que a publicidade não está apenas nos intervalos dos filmes e programas, mas na própria intenção de que estes, também, se tornem peças de publicidade. Em certo momento, ele destrói um aparelho de TV. Ele diz que, saindo de Nova York, tudo é igual, tudo se repete, as avenidas, os motéis para hospedagem, os anúncios, as pessoas, as atitudes, os hábitos, a cultura, as cidades, as auto-estradas, a comida, os refrigerantes etc.
Filme: Alice nas Cidades (Alice in den Städten, Alice in the Cities)
Diretor: Wim Wenders
Atores: Rüdiger Vogler, Yella Rottländer, Lisa Kreuzer.
Ano de Produção: 1974

Abilio Terra Junior
03/10/2009



[Menu] [Voltar]

Envie essa Página  

Todos os meus textos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais - LEI No. 9610,
de 19 de fevereiro de 1998, e pelos tratados e convenções internacionais.
Respeite os direitos dos autores, para que seus direitos também sejam respeitados.

Contato com Autor: Abílio Terra Junior

 

Criação de Gráficos e Páginas:
Webmaster e Designer:Crys

Melhor Visualizado em:1024x768