se o cachorro de palha
se consome no fogo

se nossos dias se esgotam
como um sopro de libélula

se nossas almas perambulam
pelos palácios noturnos do Hades
e cruzam com Orfeu pálido
que canta seus poemas
com seu corpo unido ao de Eurídice

se nosso sopro se escoa gélido
e afugenta as ninfas
que choram gotículas
que se evaporam
de encontro aos faunos

se nossos passos soam trôpegos
ao eco de galhos e folhas secas
que se transformam em poeira
que cruza os umbrais
de um espaço tortuoso
e enfraquecido
pelas dores da Terra

se os sete cavaleiros
preparam seus corcéis selvagens
para a última cruzada

ao toque das trombetas eternas
empunhadas por deslumbrantes
e grandiosos arcanjos

roguemos
ao nosso pai Prometeu
que se liberte
das suas potentes algemas

e nos conduza
na derradeira conquista
que consumirá nossas almas
no ardente fogo celeste

até que se transubstanciem
nas belas estrelas
que iluminarão com ardor
o novo céu do novo mundo
previsto pelos visionários
profetas e poetas

Abilio Terra Junior
09/01/2006




Envie essa Página

 

Criação de Gráficos e Páginas:
Webmaster e Designer:Crys


Imagem Top:Retirada da internet sem restrições de uso