O Templo das Águas

Seguimos por uma estrada de terra que parece não ter fim. Perguntamos por um café colonial, que se esconde de nós. Encontramos uma casa velha e detrás dela uma casa abandonada, alguns cachorros que estranham o nosso, o Bola, que foi castrado recentemente. Ele não gosta das intenções deles.
Somos recebidos por uma senhora, que nos explica o que é ‘O Templo das Águas’, o local em que estamos. Vemos rapazes, moças, um senhor com longas barbas brancas sentados na varanda da casa.
Seguimos, vejo muitas plantas e árvores, um homem sentado no chão que quebra uns ‘coquinhos’.
Há uma primeira piscina natural, em que uma mulher nada. Mais a frente quedas d’água, um belo lago, uma linda paisagem. À beira do lago, um casal jovem e uma moça, que pouco depois se retiram.
Fotografamos, apreciamos a beleza do local. Na volta, descubro um belo e imenso bambuzal, que rodeia um templo natural, destinado a rituais do Santo Daime. Há longos assentos de bambus e um caldeirão imenso, dependurado em um tripé, com restos de ervas no seu interior. Fotografamos.
Na saída, nos despedimos do pessoal, dos cachorros , que observam o Bola, que continua desconfiado das suas intenções.
Continuamos a viagem, encontramos, por fim, o café colonial, mas este está fechado, para nossa decepção.
Continuamos pela estrada de terra, até que chegamos a Pelotas.

Abilio Terra Junior
18/03/2013



[Menu] [Voltar]

Envie essa Página  

Todos os meus textos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais - LEI No. 9610,
de 19 de fevereiro de 1998, e pelos tratados e convenções internacionais.
Respeite os direitos dos autores, para que seus direitos também sejam respeitados.

Contato com Autor: Abílio Terra Junior

 

Criação de Gráficos e Páginas:
Webmaster e Designer:Crys

Melhor Visualizado em:1024x768