Exorcizando Demônios


Sonho com D., meu primo e padrinho. Ele está conversando com o meu pai, talvez, e eu sou um jovem. Ele me pergunta algo, e me explica que nesse citado ritual, as mulheres denunciavam os homens que as perseguiam. Eu lhe respondo que seria, então, um meio de se manter o equilíbrio na sociedade. Ele elogia a minha resposta. Eu saio dali e penso que à noite procurarei por uma mulher que não vejo há tempos.
Fico acordado e começo a pensar: meu pai me levava, quando jovem, até a minha avó F., que morava com a minha tia V. Na verdade, ela morara antes conosco, mas por haver se desentendido com a minha mãe, meu pai a levara para a casa da minha tia, segundo fiquei sabendo passados muitos anos. Nós, eu e meu pai, subíamos uma escada, passávamos pela porta do quarto do meu primo D., seguíamos à direita, e chegávamos ao quarto da minha avó F. O meu pai me deixava ali, a conversar com ela, e descia para conversar com a minha tia V., o meu tio A. e a minha prima M.
Penso, então: porque ele nunca me levou até ao meu primo D.? Eu sabia que o meu primo D. era muito ligado ao meu tio J., que era um autêntico filósofo, um homem que viveu a filosofia em todos os momentos da sua vida, com uma coerência notável. Ora, se ele, meu pai, permitisse que eu me aproximasse do meu primo D., e, conseqüentemente, do meu tio J., isto teria enriquecido por demais a minha vida. Teria, provavelmente, me dado um embasamento filosófico que me teria sido muito útil. Mas, talvez, o meu pai temesse me perder, caso isso viesse a ocorrer.
O fato é que eu tive poucos contatos com ambos: visitei o meu primo D. e a sua esposa algumas vezes, depois que me casei. Quanto ao meu tio J., ele visitava os meus pais, e eu me limitava a colocar na radiola alguns discos de música clássica, que ele muito apreciava, ainda na época dos discos de 78 rpm. Ele morou, ano antes, em nossa casa, no andar de cima, por não me lembro quanto tempo. Mais tarde, morou na casa da minha prima M., no Barreiro, uma cidade próxima a Belo Horizonte. Lembro-me que ocorreu uma praga de formigas, que atacavam as plantas, mas ele não as matava. Usava sempre as mesmas roupas, que ele mesmo remendava, e fazia as suas próprias refeições. Recusava aumentos de salário do seu patrão, e ajudou, sem segundas intenções, a diversas moças carentes, que chegavam do interior de Minas Gerais para Belo Horizonte, em busca de trabalho. Foi homenageado por uma delas, que deu o seu nome à escola que ela dirigia. Era magro, com um nariz proeminente, e, certa vez, se submeteu à uma cirurgia delicada, que lhe subtraiu 2/3 do seu intestino. Mas, ainda assim, sobreviveu.
Ontem, assisti, pela segunda vez, ao filme ‘Arquivo X – Eu Quero Acreditar’, que destaca, em síntese, a importância de se acreditar, de se crer, em um contexto mais amplo. Suponho que o meu tio J. e o meu primo D. acreditavam, talvez, em um sistema filosófico ou algo semelhante. Eu não sou muito chegado à filosofia, mas acredito na poesia, principalmente, e, em algumas outras coisas. Em Deus, por exemplo, mas não no sentido religioso do termo, mas sim num aspecto mais amplo, no Deus que existe em meu interior e no que existe na natureza, na Terra, nas estrelas, no invisível. E a poesia não me dá respostas exatas, objetivas, mas ela me conduz por um caminho abstrato, em que luz e trevas coabitam, como no sonho, como no
inconsciente. Este é o meu mundo, esta é a minha crença, se é que se pode chamar assim.

Abilio Terra Junior
12/07/2009

Negro o Grito

nada se inocenta
in vero desejo cansado

estava para crer que me iniciei
na gratidão de uma vigiada ternura
na ardósia transpirada
onde se faz do negro o grito
e da pena um breve reparo geográfico.

António Teixeira e Castro, in ‘Texturas e Constelações’, Editora Escrituras, página 93.

 

[Menu] [Voltar]

Envie essa Página  

 

Todos os meus textos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais - LEI No. 9610,
de 19 de fevereiro de 1998, e pelos tratados e convenções internacionais.
Respeite os direitos dos autores, para que seus direitos também sejam respeitados.

Contato com Autor: Abílio Terra Junior

 

Criação de Gráficos e Páginas:
Webmaster e Designer:Crys

Melhor Visualizado em:1024x768