Eu Mergulhei numa Fresta


Eu mergulhei numa fresta do espaço-tempo, e me deparei com um longo saguão, que se perdia de vista e, ao meu lado, uma recepção, como de um hotel, na qual o recepcionista era um sapo verde, bem trajado e simpático. Havia outras tantas recepções semelhantes, com recepcionistas semelhantes, que se sucediam pelo longo saguão afora, a se perderem de vista. Tentei, por um instante, imaginar aonde estas recepções conduziriam os hóspedes, mas desisti. Elas ali estavam... e pronto.
Enxerguei também miríades de pontos luminosos, que brilhavam com intensidade. Em conjunto, eles se dirigiam à trevas compactas; se encontraram, eles ingressaram dentro delas. As trevas como que cresceram de volume, e mudaram de tonalidade... mas continuaram sendo elas próprias, assim como os pontos luminosos. Pensei em uma analogia conosco, seres humanos: há em nós esses pontos de luz, junto com nossas trevas. Podemos encontrá-los, se os procurarmos, profundamente, e iluminaremos nossas trevas, por algum tempo. Se nos iluminaremos por completo? Talvez nunca. Mas precisamos dessas iluminações momentâneas, nos fazem bem, e nos conectamos brevemente com uma grande rede de luz, formada por muitos outros que também fazem o mesmo, e pelos Seres de Luz, que há em dimensões alhures. É pouco? E é muito.
Mudando de alhos para bugalhos: estou lendo ‘Carne Trêmula’, da escritora inglesa Ruth Rendell: me surpreendeu, que fluência! Nem me lembro mais do filme de Almodóvar, baseado no livro (aliás, nem sei mesmo se o assisti), mas o livro é, de fato, excelente.
Schopenhauer, em seu livro ‘A Arte de Escrever’, defende bravamente os diletantes, em uma linha de pensamento diametralmente oposta à que segue o seu curso nos dias de hoje. Ele demole, pedra sobre pedra, grandes filósofos e a erudição, germânica, em particular, e européia, em geral. Que beleza seria se muitos, hoje em dia, se dessem ao trabalho de tentar seguir, pelos menos, alguns dos conselhos do velho mestre.
Estou com um livro de poemas ‘no prelo’, por assim dizer: dentro de alguns meses estará a venda. Tiragem: 1.000 exemplares. É o meu segundo livro, mas o primeiro, ‘Os Homens Pássaros’, teve uma tiragem minúscula. Este se chamará ‘Numa Floresta de Símbolos’. Aguardem!

Abilio Terra Junior
27/04/2010

[Menu] [Voltar]

Envie essa Página  

 

Todos os meus textos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais - LEI No. 9610,
de 19 de fevereiro de 1998, e pelos tratados e convenções internacionais.
Respeite os direitos dos autores, para que seus direitos também sejam respeitados.

Contato com Autor: Abílio Terra Junior

 

Criação de Gráficos e Páginas:
Webmaster e Designer:Crys

Melhor Visualizado em:1024x768