INFINITIVOS
Agostina Akemi Sasaoka


Compreender
os vacilos de Deus
sobre a Terra imensa.
Aceitar
o sorriso indesejado,
o sonho trocado.
Infringir
as regras do óbvio
para virar poesia.
Pôr
as estrelas no colo
e os erros no bolso.
Escutar
o eco do outro
através do espelho.
Permanecer
com os braços abertos,
com os corpos grudados.
Dormir
de um século pro outro
e acordar.


**************************************

TRAVESSURA
Agostina Akemi Sasaoka


Ah, menino...
Também corri muito
atrás dos mesmos arranhões que você.
Papai-do-Céu nos observava
e as estrelas
eram mais inatingíveis, não é?
E a bola
era o mundo
que batia no muro.
Todos os doces
machucavam nossos sorrisos...
Que fizemos dos sonhos,
menino?
Foi a vida que se tornou um
esconde-esconde.


**************************************

ABSOLVIÇÃO
Agostina Akemi Sasaoka


É muito noite.
Como jamais fora.
O grilo irrita
mas não percebe.
Todas as estrelas me escutam,
mas não tenho o que dizer.
É só esse arrepio,
esse berro do peito
dentro do coração.
Também há tulipas.
E o sono não vem.
Não virá.
Jamais voltarei a acordar.
Tudo culpa do corpo,
esse parasita que te implora.
Há barulho demais
para sonhar.
Meu sorriso perturba a escuridão
e ecoa pelo universo.
Vou rezar.
....
Deus me perdoou:
impossibilidade
de pecar.


**************************************

A GARGANTA DA SERPENTE
Agostina Akemi Sasaoka


Não há luz.
O tremor do útero
anuncia a sílaba.
Diga tua profecia
enquanto refaço o evangelho.
A boca sorri tortuosa
maldizendo a dança dos temores.
Pronuncie!
Não ouse sussurrar o caos.
O terço se enrosca
em minha língua
enquanto a primeira estrela se arrebenta.
Hospedo-me
nas gavetas do inferno,
onde os verbos maceram.
Não olhe:
vou nascer.
A garganta arreganhada
permite o sibilar do cio
Esfrego-me em teus pudores
enquanto conjugo um bocado da lua.
As escamas pulsam displicentes
sob a fronteira úmida da dor.
E o verde rasteja
- infindável -
trazendo a serpente.


**************************************

ANIVERSÁRIO
Agostina Akemi Sasaoka


Eis que o bafo
dos anos que escorrem
aquece meu corpo
mais uma vez,
babando em mim
a idade,
alfinetada
num bolo de aniversário,
onde a parafina brinca
e o açúcar sobra,
ante um corpo
de curta idade biológica
e maturidade precoce
que rasteja pelo mundo
pensando-se imortal.


Envie essa Página  

 

 

Criação de Gráficos e Páginas:
Webmaster e Designer:Crys

Melhor Visualizado em:1024x768