caminho em um mundo de trevas
sopra um vento frio
piso em um calçamento gasto pelo tempo
e me rodeiam casarões antigos esquecidos
com janelas e portas fechadas

nada penso nada sinto
esqueci-me de tudo
não sinto fome nem sede
poucas pessoas passam ao longe
apenas vultos com os rostos cobertos

subo uma escada de pedras milenares acinzentadas
e penetro em um casarão assimétrico
sou atraído para um dos cômodos
e nele vejo um vulto de mulher de costas
com a cabeça coberta

ela se vira devagar
se aproxima de mim com passos lentos
e me fita
com um olhar doce e firme
seus traços são finos
sua idade indefinida

sua beleza pálida
transmite tristeza
e seu olhar tão profundo
que me perco nele

e ingresso em outro universo
em que pouco a pouco começo a me recordar
de quem sou
de toda a minha vida

e de cada poema que compus
ao som da lira que tocava
inebriando as ninfas

Abilio Terra Junior
14/04/2005

 

[Menu] [Voltar]

Envie essa Página

Tube:Márcio C.

Midi: Amour

Criação de Gráficos e Páginas:
Webmaster e Designer:Crys